quinta-feira, 25 de maio de 2006

Brett Rattner, o sujeito do "luz, câmera, ação" em xm3n, rebatendo críticas de que ele mudou muito o estilo de Synger e/ou colocou mais explosões em detrimento das psicologias:

"The difficulty was keeping the tone of the first two movies which was already established but which is fantastic, which Bryan did a great job doing. And then kind of focusing on the emotionality of the story and the characters. That was my focus"

Toda a entrevista no Cinema Blend.

4 comentários:

Maga disse...

pô, fiquei chateado porque não vi a cena que rola depois dos créditos finais...

só discordo sobre o choque, achei que o segundo já era mais forte.

Ronaldo disse...

Também fiquei bolado de não ver a cena final. Mas, já perguntei para algumas pessoas e soube que não muda o rumo da história, apenas dá uma pequenina reviravolta...

Mas achei mais cruel o final sim. As mortes e - principalmente - a maneira como foram feitas, é chocante pra-cacete.

Sem comparar com o dois, claro.

Maga disse...

Pelo que fiquei sabendo, na verdade a cena final é o pretexto para continuar a série, abrindo brechas na histórias. Se vai rolar ou não, aí é outra coisa.

Ronaldo disse...

Poisé, já ouvi/li sobre isso. Mas, tinha lido, antes da estréia do xm3n que haveria apenas filmes sobre personagens. Do tipo: Wolverine, Magneto, etc.

Mas não reclamaria, caso mantivessem a qualidade, se viesse um xmen 4...