quarta-feira, 21 de março de 2012

Natural e sedutoramente colonizadores

Ontem, a rainha Elizabeth II, ou Mrs.Windsor para os republicanos de plantão, falou no Parlamento inglês. Ela continua a comemoração do seu jubileu de diamante, pelos seus 60 anos no "poder" - acho que é a segunda monarca mais longeva na posição, só perdendo para o rei da Tailândia, que também é o mais rico da classe.

Cerimônia rápida - ela já não é mais uma mocinha, e seu marido tem quase 100 anos - mas duas passagens me chamaram a atenção. Primeiro: o discurso do porta-voz do parlamento, o conservador John Bercow, citou Gandhi, chamou mrs. Windsor de "Rainha caleidoscópica" e falou, segundo as anotações do blog do "Guardian", uma passagem controversa: "In many ways Britain is "bigger, brigher and better". People are equal under the law, regardless of how they look, how they live and how they love." Eu me lembro bem desse momento porque fiquei pensando: será que a tradicionalíssima rainha sabia que ela ia ser citada como símbolo do movimento gay? O jornalista do "Guardian" responde: "Not sure. She's still got her inscrutable expression on, so heaven knows what she makes of it".

O cartunista do "Guardian", Steve Bell, mostrou a sua versão do
presente que o parlamento deu para a rainha. 
Além disso, ela, a rainha, também falou e se dirigiu a toda Commonwealth, onde ela é a chefe - e aí, me assustei quando ela disse que a população da Commonwealth é cerca de um terço de toda a Terra. [Mrs. Windsor é monarca, além da Grã-Bretanha, de 18 outras nações, do Canadá, passando por Austrália e Nova Zelândia, até África do Sul, Paquistão [Paquistão!?] e Antigua e Barbuda.] Mas, voltando, um terço da população do globo terrestre? Quem disse que o império inglês terminou no século XIX? Claro que a função dela, como todo mundo sabe, é decorativa. Mas ela decora a imaginação de um terço das pessoas do mundo - e esse tipo de decoração é única.

Segundo o meu amigo wikipedia, o Commonwealth não é uma relação política, mas um tratado em que as nações assinam declarando respeitar certas regras e comportamentos, em relação a direitos humanos, democracia, multilateralismo, igualdade e... livre mercado. Ah, sim. Boas intenções. [Se tiver interesse em saber a lista dos "envolvidos", clique aqui.]

É perceptível como os ingleses têm uma vontade, às vezes paternal, às vezes ditatorial, de ser responsável pelo que acontece no mundo. São, como disse, natural e sedutoramente colonizadores. Não é à toa que as universidades aqui estão lotadas [eu chutaria uma porcentagem entre 30 e 40% das vagas] de chineses. Eles devem querer implantar o jeito inglês de tomar chá na China. Deve ser.

4 comentários:

Jorge Fernando disse...

Contanto que não implantem o jeito da Commonwealth de tratar imigrantes nas ruas, por mim, tá maneiro. E também não acharia ruim se trocassem o nosso verão pelo do Reino Unido.

Ronaldo Pelli disse...

você queria participar da commonwealth? é isso?

e como é o jeito de tratar os imigrantes na rua?

agora, eu aceito a sua troca...

Jorge Fernando disse...

Estava falando da semelhança do caso do Jean Charles de Menezes e do Roberto Laudisio, o garoto que, ao que aparenta, foi assassinado em Sydney agora. A parte sobre o verão era séria.

Ronaldo Pelli disse...

ah sim. matam brasileiro que parece terrorista aqui e um brasileiro que estava perto de onde roubaram um pacote de biscoitos [isso -http://www.theaustralian.com.au/news/nation/brazilian-student-roberto-laudisio-named-by-brazilian-newspaper-as-taser-victim/story-e6frg6nf-1226304995084- é sério, mesmo?]. devem ter gritado pega ladrão e ele, receoso, correu. eu também correria.