sábado, 2 de novembro de 2013

Mercúrio retrógrado - ou o planeta que faz moonwalk

Mercúrio, fotografado pela Nasa, que agora está fazendo
o Moonwalk
Recentemente saiu uma notinha em uma coluna de jornal. Depois, comentários no Facebook. Papos virtuais e físicos. Todo mundo confirmando o mesmo sentimento: o momento está generalizadamente complicado. Sem exceções, todos estamos sofrendo bastante. E o culpado dessa catástrofe seria um único fenômeno: Mercúrio retrógrado.

Não, meu querido e sonhado leitor, este mui humilde escriba não capitulou e começou a acreditar em horóscopo quiçá em astrologia. Nada contra, só mesmo uma incapacidade física para a crença, de toda e qualquer natureza. Problema de hormônios, deve ser. Por que, então, falar sobre esse fenômeno relativamente comum, que nada mais é que uma simples ilusão de ótica, mas que, segundo as informações dos crentes, influenciaria negativamente todos os habitantes da Terra, principalmente no que condiz à comunicação?

Porque se o fenômeno não explica as contínuas desavenças que acontecem, ele, ao menos joga luz para o óbvio: houve um aumento da tensão. Não sei se na Terra, não sei nem se no Brasil, mas suporia com força no Rio. Aumento dos índices de violência são constatados, depois de anos de queda. Crimes de uma crueldade grande, como o fulano que teve a cabeça cortada, ou o garoto que foi baleado em frente ao Fórum. Fora os constantes assaltos, furtos, brigas, discussões desnecessárias, confusões que presenciamos diariamente.

Dias desse, depois de ver a disputa entre taxista e motorista de ônibus, e o lutador de MMA bater como por esporte em um trombadinha, fui acordado recentemente aos gritos de "vou te matar", proferidos pelo contido [pelos colegas] taxista que faz ponto na esquina em direção a um dos bêbados-semi-mendigo [não é exatamente morador de rua, mas vive na sarjeta] que habitam as redondezas. Não deu em nada o bate-boca, aparentemente, mas o clima ficou muito, muito nervoso.

Qual é a origem, qual é a razão, então, desse aumento de tensão - se ele se confirmar - já que não é o Mercúrio retrógrado? Seria o verão já apontando na esquina? Seria o calor esquentando também o sangue nas veias? Eu vou sugerir algo diferente: uma decepção e uma frustração coletiva. E, novamente, as manifestações que desde junho inflamam as ruas na tentativa de sacudir o restante da cidade são os principais exemplos disso.

Mas vou além. Aparentemente, houve uma decepção, uma frustração generalizada com a terra prometida. Quando falaram que teria havido uma diminuição na disparidade entre ricos e pobres, se pensou que isso seria um ótimo passo em relação a uma cidade mais justa. Mas não é assim que se sente. Com o policiamento reforçado em favelas, também acreditamos que a violência diminuiria. Igualmente, uma ideia que não encontra muitos adeptos, principalmente para quem mora fora da Zona Sul carioca. Pensamos que o policiamento de "pacificação" seria apenas uma pequena ponta do iceberg num projeto social muito maior, encabeçado pelo estado e apoiado pelo município - outro tiro n'água. Nos venderam que a Copa e a Olimpíada nos transformaria em uma cidade organizada, de primeiro mundo! - e até agora só sofremos as consequências dessa suposta arrumação, com o aumento de trânsito, os preços estratosféricos, a hoje famosa gentrificação. Parecia, enfim, que teríamos, após séculos de governantes que ignoravam as vontades populares, políticos sérios e justos no poder, e percebemos que, novamente e como sempre, as promessas eram vazias.

Essa decepção generalizada com a coisa pública gerou um sentimento imenso de frustração que as pessoas estão canalizando da maneira que conseguem: em direção ao outro. Já que ficou o clima de que não adianta mesmo reclamar dos políticos, porque eles nem se mexeram para fazer qualquer tipo de votação relativa aos pedidos mais gerais [como a reforma política, por exemplo, ou, no caso específico do Rio, a CPI dos Ônibus], a raiva está sendo jogada pelas janelas em direção a quem estiver passando. Como se fosse uma batata assando.

O Mercúrio deixa de ser retrógrado e volta a andar "para frente" em breve, no dia 10 de novembro, segundo os astrólogos. A decepção, não. Que essa raiva, pelo menos, seja direcionada para, senão outras manifestações gigantescas como as de junho, ao menos, a eleição do ano que vem. Que acontece daqui a 11 meses, quando Mercúrio estará fazendo seu moonwalk de novo.

2 comentários:

Anônimo disse...

Fantástica análise, Ronaldo. Mas me permitiria complementar o desfecho do texto? O pedido da CPI dos ônibus aconteceu por parte de um partido de oposição ao governo atual.(E de forma democrática foi instaurado) A unica frustração que tenho é de que nenhum passo é dado à favor da população. Eliomar do PSOL tinham ligação com ocupantes da câmara(quiseram tomar à força a democracia).. GANHARAM DESTAQUE no meio da confusão... Sabe pra que? 11 meses, apenas. É o que falta para o moonwalk das cidades. Apenas a manifestação de JUNHO foi verdadeira.. as outras? Pura estratégia política. Partidos que alimentam os anseios da população leiga. Pessoas que canalizaram seus esforços para desbancar quem está no poder, entrar, e não fazer nada do que dizem querer fazer.

Ronaldo Pelli disse...

Oi, Anônimo, vou incorrer num eventual problema: alimentar discussões políticas. Acho que há muitas inferências, sem qualquer espaço para a dúvida em seu comentário. Isso demonstraria, a meu ver, que o senhor teria provas cabais das suas afirmações.

Além do mais, eu gosto de política. Não sou contra manifestações que tenham esse caráter, não.

Abraços