quinta-feira, 10 de agosto de 2006

Encontrei na internet, o poema que ilustrava a capa do meu primeiro livro de literatura. Incrível que, a partir daí, muitas coisas mudaram e me inclinei, mais e mais, para o lado das letras. Ainda não estou no ponto que almejo, mas tenho paciência (pouca, mas, por enquanto, o suficiente). Mais incrível ainda é saber que eu tinha uma relação de relutância com a matéria em si. Meus amigos mais velhos do colégio diziam que era chata. Eu, que ainda não tinha encontrado a chave, acreditava neles. Como estava enganado...

Copio a parte que encadernava o livro:

Chega mais perto e contempla as palavras.
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta,
pobre ou terrível, que lhe deres:
Trouxeste a chave?


Estes pequeninos versos foram os responsáveis por eu ter vontade de escrever. Não como hoje eu tenho, mas eu ficava imaginando que faces poderiam ter cada palavra. Como eu poderia ser um escafandrista num oceano alfabético. E fiquei com vontade, pela primeira vez, de mergulhar.

Todo o poema do Drummond com o próprio declamando está aqui.

2 comentários:

Limonada disse...

Também estudei por esse livro! Muito engraçado, né! beijo

Ronaldo disse...

É... Não devem existir muitos livros de literatura no Brasil...

:-)

bjs