quarta-feira, 10 de dezembro de 2008

O português capitulou

O primeiro episódio da "Capitu" não surpreendeu: entregou aquilo que estávamos esperando. Dramaturgia de alta qualidade, com experimentações estéticas. Maquiagens exageradas, roupas espalhafatosas e músicas de Hendrix, Johnny Rotten e cia. e Beirut para dar o verniz pop para o livro mais famoso de Machadão.

Há passagens bem interessantes e o Melamed segura bem a onda de Bentinho. Dá gosto de ver. Entretanto...

Poisé sempre há "poréns" e nesse caso há dois: um leve e um gravíssimo, principalmente em se tratando do fundador da Academia Brasileira de Letras. Comecemos por retirar os devidos três pontos na carteira de Luiz Fernando Carvalho. O narrador escolhido para ler as cartelas de episódios é risível. Talvez tenha até sido a intenção, já que o Machadão era um sujeito que gostava da ironia, principalmente a de viés humorística. Mas fica estranho quando uma cena é tensa e o sujeito faz voz de palhaço.

Agora, o problema maior, que merece nota zero nessas colunas de TV e até em qualquer coluna é o erro de português em uma das intercessões do texto em si de "Dom Casmurro". Explico. Um dos recursos pós-modernísticos de Carvalho foi escrever, com fonte de 1900, trechos da obra, enquanto o narrador-protagonista está falando sobre algo impossível de ser ilustrado. Ou apenas para dar uma bossa. A questão é que não pode errar o português. Não pode, não dá, fica feio, feíssimo. Horroroso. E eles erraram. Copio a prova abaixo.

"Voltou dali há duas semanas", Carvalho? O português capitulou.

ps. Agora, vendo o site da série, percebo que o erro de português é contagioso. Escreveram como eu escrevia há muito tempo, sem a devida preposição: "assista todos os vídeos". Ou seja, "ajude todos os vídeos".

3 comentários:

Reba disse...

Veremos juntos cenas do pximo capítulo.
Ótimo título, by the way.

Teamo.
Beijos

B. disse...

se eu tivesse fazendo esse site, isso não teria acontecido. tsc tsc tsc...

Carol disse...

Que alívio! Achei que só eu tinha percebido esse erro... poxa, era um simples exercício de CÓPIA do livro, ipsis litteris... é impressionante a capacidade humana de complicar as coisas.